Óleos essenciais da Antiguidade até hoje.

Desde o ínicio da sua vida na Terra, a humanidade teve de fazer experiências com plantas para descobrir quais as comestíveis e quais as fatais. Ao longo dos tempos, algumas delas foram sendo reservadas para a magia ou medicina, e foi a partir dessas plantas que muitos medicamentos evoluiram.
Na época em que a maioria das antigas civilizações se encontrava em pleno desenvolvimento, o uso terapêutico dos óleos essenciais fazia parte do seu dia-a-dia.

Os Egipcios, em 4500 A.C., usavam óleos de Mirra e de Cedro para embalsamar os mortos e, 6500 anos depois, múmias perfeitamente conservadas dão testemunho das mais valias desta técnica.
A investigação moderna revelou que a madeira do Cedro contém um fixativo natural e que a Mirra contém poderosos agentes anti-sépticos e bactericidas, o que explica por que muitas múmias se apresentam com tão bom estado de conservação.
Os Egipcíos foram os primeiros a destilar plantas, com o objectivo de extrair os respectivos óleos essenciais. Usavam-nos na medicina e em cerimónias religiosas, ou ainda como embelezadores da pele, perfumes e poções para o rosto. 
Os óleos eram tidos em tão alto apreço, que eram ofertados aos Deuses.
Os Sumo-Sacerdotes registaram os usos terapêuticos dos óleos e as suas propriedades conhecidas em rolos de papiro, juntamente com as receitas secretas. O seu conhecimento era de tal forma rigoroso, que constitui a base da aromaterapia moderna.

Os Romanos, por outro lado, utilizavam os óleos essenciais tanto por prazer como para tirar as dores: usavam-nos diariamente nos prolongados banhos perfumados e em massagens.
A paixão do Imperador Nero pelas orgias, festas e fragrâncias é lendára. O seu óleo favorito era o de Rosa, porque curava enxaquecas, indigestões e levantava o ânimo, tornando-se assim possível continuar os seus festins. Outro óleo favorito dos Romanos era a Camomila, para tratar problemas de pele e ajudar a sarar feridas.

Na Grécia, Índia, China e Arábia o uso de substâncias aromáticas floresceu. Mas só a partir do século XII que a perfumaria e o herbalismo se expandiram na Europa.

Na altura da Grande Peste, em 1665, este uso encontrava-se já de tal modo implantado, que os Londrinos queimavam nas ruas molhos de Alfazema, Cedro e Cipreste e traziam consigo raminhos das mesmas plantas, como única defesa contra a doença infecciosa. E isso indubitavelmente terá salvo milhares de vidas, pois estas plantas contêm poderosos agentes anti-sépticos.

Até ao virar do século, as plantas eram utilizadas para fazer todos os medicamentos. As ervanárias disponham de infusões, pomadas e pós para tudo.

Com a necessidade de aumentar o produção passou a sintetizar-se os principios em laboratório e passamos a usar comprimidos químicos com poucos extractos naturais.

Fonte: Penny Rich. Aromaterapia Prática

Alma D’Flor 2008    

COMPRAR ÓLEOS ESSENCIAIS CLICAR AQUI

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer contribuir com a sua opinião?
Contribua com a sua opinião!

Deixar uma resposta