para fazer mais tarde bebes e ftalatos

Bebés e produtos de higiene pessoal: possíveis fontes de exposição infantil aos ftalatos”. Este é o título de um estudo publicado na revista “Pediatrics”¹ da Academia Americana de Pediatria em fevereiro de 2008. O estudo foi conduzido no Instituto de Saúde Infantil da Universidade de Washington, pelo grupo dirigido pelo Dra. Sheela Sathyanarayana do Departamento de Ciências de Saúde Ocupacionais e Ambientais, em Seattle. Ele aborda a ligação entre o uso de produtos de higiene pessoal em bebés e o grau de contaminação por Ftalatos presentes nestes bebés.
Ftalatos são substâncias plásticas sintéticas encontradas em produtos de higiene pessoal e cosméticos, tintas, adesivos e plásticos. Estudos recentes sugerem que alguns ftalatos podem alterar o desenvolvimento do aparelho reprodutor humano entre outras implicações endócrinas²,³.
Os autores mediram 9 metabolitos de ftalatos em 163 bebés nascidos entre 2000 e 2005. Os bebés tinham sido expostos a produtos comuns de higiene e dentro das 24 horas seguintes os pesquisadores colhiam a urina e analizavam as amostras. Os resultados mostraram que em 81% dos bebés havia 7 ou mais metabolitos de ftalatos acima dos limites de detecção. O tipo de metabolito variava de acordo com o tipo de produto: por exemplo, loções estavam associadas a presença de monoetil ftalato (MEP) e monometil ftalato (MMP), pó talco a monoisobutil ftalato (MIBP), shampoo a monometil ftalato (MMP).
Estas descobertas permitiram aos pesquisadores concluir que a exposição aos ftalatos era difusa e variável nos bebés; que a exposição a loções, pó talco e shampoo foi significativamente associada com o aumento das concentrações urinárias de monoetilftalato, monometilftalato e monoisobutilftalato e que as associações entre os metabólitos aumentava proporcionalmente ao número de produtos utilizados. 
A  associação foi mais evidente foi feita em bebés pequenos, que são mais vulneráveis à toxicidade reprodutiva e evolutiva, devido a imaturidade do seu sistema metabólico e o aumento da exposição em relação à área de superfície corporal.

DICAS para evitar a exposição de ftalatos:
· Procure evitar de pintar o quarto de seu bebê entre a 8 e a 24º semana de gestação e de colar carpetes neste mesmo período. Seria ideal também ventilar bastante o ambiente sempre.
· Ao comprar brinquedos, procure o selo “sem ftalatos”, ou pelas siglas PP e PE, pois são plásticos sem aditivos.
· Prefira vasilhame de vidro ou aço inox para conservar alimentos, em especial os gordurosos e nunca aqueça no microondas alimentos para seu bebé envolvidos em película de PVC.
· Evite produtos com perfume (ou pelo menos onde o fabricante não garanta a ausência desta substância na formulação).
· Lembre-se que Ftalatos não são os únicos contaminantes químicos presentes em produtos de higiene e que esta não é a única via de exposição. A somatória e a persistência dos agentes contaminantes no seu corpo que farão a diferença no complexo jogo entre eles e suas defesas.

Bibliografia:

1. Sathyanarayana S, Karr CJ, Lozano P, Brown E, Calafat AM, Liu F, Swan SH. Baby care products: possible sources of infant phthalate exposure. Pediatrics. 2008 Feb;121(2):e260-8.

2. Olesen IA, Sonne SB, Hoei-Hansen CE, Rajpert-DeMeyts E, Skakkebaek NE. Environment, testicular dysgenesis and carcinoma in situ testis. Best Pract Res Clin Endocrinol Metab. 2007 Sep;21(3):462-78.

3. Meeker JD, Calafat AM, Hauser R. Di(2-ethylhexyl) phthalate metabolites may alter thyroid hormone levels in men. Environ Health Perspect. 2007 Jul;115(7):1029-34.

Artigo de Sandra Goraieb, é protegido por copyright. Para reproduções, entrem em contato com a autora.

Publicado originalmente site Millebolleblu.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer contribuir com a sua opinião?
Contribua com a sua opinião!

Deixar uma resposta